My Au Pair Journey

Ga Lynxi in New Jersey

Books

Ok, mais de um mês que não posto nada, e isso definitivamente não é o que tinha planejado. But, then again, esse post também não é o que eu tinha planejado. Digamos que, ultimamente, poucas coisas na minha vida estejam saindo de acordo com o planejado. Mas, por outro lado, descobri aqui que isso talvez não seja uma coisa tão ruim assim. Calma, ainda amo uma planilha, um schedule, organização, e etc, mas estou tentando não surtar homericamente quando as coisas não saem como o planejado. Afinal, às vezes, não podemos fazer nada para controlar variáveis que estão acima de nosso controle. Esse momento de auto-revelação começou quando perdi meu cruzeiro pelas Bahamas por causa do furacão Irene. E, se tem uma coisa que eu sei, é que se um dia tiver uma filha, ela não se chamará Irene. Mas isso é uma história para outro post.

Esse post veio para explicar, em parte, o motivo do meu sumiço. Eu amo ler. De paixão. Mas, nunca consigo comprar tantos livros quanto gostaria de ler, o que me leva a ler muita, mas muita coisa mesma, repetida. Pelo menos no Brasil. Aqui, a 10 min da minha casa, tem uma biblioteca linda, com uma sessão toda especial para meu tipo favorito de livro – YA, Young Adults. Sim, eu sei, faço Letras e tals e deveria ler só Dostoiévski para cima. Mas, quer saber? Embora curta um bom filósofo russo ou um livro francês confuso, o que me dá mesmo prazer de ler são os tais dos livros “infanto juvenis”. Me mata, nem ligo. Parte de crescer e ser adulto é poder adimitir, sem vergonha, as coisas que você ama e que te fazem feliz. E, para mim, essas coisas são livros YA. E a beleza da coisa toda daqui é que posso alugar até 50 itens por vez na biblioteca! E o prazo de devolução é, em geral, três semanas. Ainda não cheguei a alugar 50 livros de uma vez, mas eles também tem filmes e CDs, o que preciso confessar que me faz uma pessoa muito feliz!

E tudo isso de introdução para dizer que o que no Brasil já era excessivo para algumas pessoas, aqui se tornou um vício praticamente incontrolável. Vou ter que procurar um Bookaholics Anônimos ou algo assim. Sabe quantos livros li no mês passado, para curar minha tristeza pós-furacão? DEZ. E não foram 10 livros daqueles tipo revista, foram 10 livros de 300, 400 páginas! Desde que cheguei aqui, há pouco mais de dois meses, já li 19 livros, estou terminando meu vigésimo hoje, acredito. E isso me faz feliz!!! Às vezes, as coisas não saem como o planejado – embora muita gente diga que americano é tudo certinho, e é mesmo, nas minhas horas vagas dependo das minhas amigas daqui, que são de vários lugares, Alemanha, Rep. Checa, Brasil, principalmente, e nenhuma delas parece fazer questão de ter planejamentos ou schedules como eu ou os americanos, o que pode me deixar revoltada -, daí eu simplesmente abro um desses mundos alternativos e relaxo. Porque nem sempre, mesmo nesse livros que eu praticamente posso prever como vai acabar, eu nem sempre posso prever o que acontecerá antes do final feliz. E essas são as duas coisas que mais gosto nos livros YA – eles sempre têm um final feliz, e isso me deixa muito feliz, por consequência; mas nem sempre os eventos que levam a esse final feliz são felizes, o que me dá esperança, já que na vida nem sempre tudo é perfeito, mas eu continuo achando que meu final feliz também pode chegar!

Então, basicamente, esse post serve para esclarecer que não sumi sem motivo, e que, como nos livros YA, tudo tem um final feliz. Talvez o meu seja escrever aqui, porque isso também me deixa muito feliz.

Antes de encerrar, segue uma lista com os livros que acho que merecem ser lidos, se você também gosta de YA (porque, infelizmente, nem todos os quase 20 livros que li foram assim tão bons!):

The Help – que não é infanto-juvenil, portanto se você for adulto “de verdade”, não “de mentirinha” como eu, acho que vale a pena.

Anna e o Beijo Francês – já falei para a Alana que esse livro ela tem que ler, ponto. Espero que ela leia. E me diga o que achou.

Trilogia de Jogos Vorazes – confesso, no Brasil, já tinha ouvido falar e estava com o pé muito atrás, não sou do tipo violência literária, nem muita ficção científica. Mas, o que me chamou a atenção é que a protagonista aqui é uma menina! E tava todo mundo falando tão bem, e era de graça alugar, peguei o primeiro. Li os três em quatro dias. E chorei muito, e me encolhi de nojinho em algumas partes. É sim violento, algumas descrições são muito mais gráficas do que eu gostaria. Mas achei tão bem escrito, e com uma “moral” tão interessante, e com paralelos com o nosso mundo de hoje tão gritantes, que não consegui largar. Leia, se você tiver estômago. (PS- Só eu que não achei o Peeta NADA disso?? – não é nem tudo isso, é nada disso mesmo! Eu hein!)

Livros da Sarah Dessen – já tinha lido Just Listen no Brasil, aqui li This Lullaby e estou terminando The Truth About Forever. Ela, para mim é o Nicholas Sparks dos YA. Menos lencinhos de papéis, mas ela trata sim de temas duros e tristes, como mortes, doenças, abusos, complexos. Mas, como também é um YA, não é aquela coisa que você chora o tempo todo. Aliás, nem chorei em nenhum deles – sim, sou um pedra, me mata. Às vezes, aquele elefante vem sentar no meu peito, uma tristeza que não sei dizer, mas a beleza de ler um livro YA é que você sabe que, de alguma forma, aquilo vai acabar bem. Às vezes nem tudo é flores no final, mas o final sempre me dá esperança. E é por isso que gosto de como a Sarah Dessen escreve, porque todos nós temos problemas sérios na nossa vida, e quem não precisa de um pouco de esperança às vezes? Só uma sugestão: talvez, seja melhor não ler dois livros dela seguidos. Faça uma pausa no meio. Talvez com algo leve como Ally Carter (Escola de Espiãs) ou Carolyn Mackler (outra autora que trata de temas muito interessantes, mas ela é tão ENGRAÇADA que você nem percebe que está lendo algo sério).

Um livro para NÃO ler, aliás dois: The au pairs, da Melissa Cruz. Bando de mentira, mentira, mentira, o dia que a vida de au pair for como o que ela escreveu, eu nunca mais volto pro Brasil. Sério. E o pior de tudo é a personagem brasileira dela, que eu quero simplesmente MATAR, de tão mal retratada. Pensei em processar por difamação, por ser au pair e por ser brasileira, mas achei melhor simplesmente não ler o resto da série. E, esse me dói o coração de falar, 3 willows: the sisterhood grows, da Ann Brashares. Eu AMO as Calças Viajantes, e esse é tipo um spin-off, mas não consegui me encantar com as protagonistas, nem com nada da história, na verdade. Acho que se ela tivesse mudado a idade das protagonistas e o local do livro, talvez ela tivesse conseguido algo melhor. E isso me dói dizer de verdade, porque as Calças é uma série que amo de paixão. Estou no on-hold para ler Sisterhood Everlasting, que é a continuação das Calças tipo 20 anos depois, todas casadas e com trabalhos e tals. To adiando a leitura porque não quero vislumbrar o que pode vir a ser meu futuro. E porque, logo no começo, já fiquei muito brava com o que a Ann fez com a Carmen (não que não possa ser desfeito, mas….).

Ah, e outra coisa legal: vendo os post nos diversos blogs literário que frequento falando de como a Bienal do Rio foi fantástica, fiquei pensando que é melhor eles capricharem na de SP ano que vem… Daí, obviamente, surtei, vai que a Bienal é antes de eu voltar??? Mas, como num bom YA, depois do pânico, descobri que a Bienal será de 9 a 19 de Agosto de 2012, quando já estarei de volta, arrastando provavelmente 90% de quem está lendo isso para ir comigo e me ajudar com as sacolas!!!! Isso é o que eu chamo de final feliz!!

Bom, é isso, post longo é comigo mesmo! E, mais uma vez, isso prova que estou bem, lendo muito, como sempre. Será que um dia arranjo um emprego legal tipo comentarista de livro YA? E será que isso dá dinheiro? Onde eu poderia trabalhar? Alguém que me oferecer um emprego desses? Fica a dica!!!!

 

Bjks!

This entry was posted on sábado, setembro 10th, 2011 at 13:05 and is filed under Sem categoria. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

6 Responses to “Books”

  1. Káthia
    15:11 on setembro 10th, 2011

    Hahaha…muito bom o seu post.
    Falando em livro,um dos meus livros preferidos é o the clique,você já leu?É um livro bem infanto juvenil,mas é gostoso de ler.Dá pra ler em um dia,tranquilo e eu sei que aí nos states tem uma coleção desse lrivo,porque aqui no brasil só lançaram o primeiro.
    Queria que tivesse uma biblioteca dessas do lado da minha casa,mas que os livros fossem em português…hahah.
    Estou descobrindo mais coisas em comum com você agora que estamos longe…assim não dá.
    Mas se tudo der certo,nos vemos em janeiro
    Beijos

  2. Ga
    16:41 on setembro 10th, 2011

    Com certeza nos vemos em janeiro!!!! E é mesmo engraçado como as coisas são, das semelhanças só aparecerem assim quando não estamos nos vendo todo dia!!! Vê se pode? Então, conheço o the clique de ouvir falar, mas acho que tem mais de 10 volumes, né? Tem uma fileira da estante só para ele, na foto que coloquei ali em cima não sei se dá para ver! Mas vou começar a ler a coleção sim, agora que tive uma boa recomendação! E, realmente, o Brasil poderia ter VÁRIAS dessas!!!!

  3. Nandinha
    20:10 on setembro 12th, 2011

    Oi, Gabi!

    Também gosto de juvenil… Amo, tanto quanto você. E compreendo sua compulsão por livros… No ensino médio, quando a vida era boa e minhas despesas eram pagas por outrem XDDD Eu lia numa voracidade impressionante! Já cheguei a ler 50 livros em um ano… Bons tempo u.u

    Mas… Vou falar o que me fez comentar aqui: MENTIRA QUE TEM CONTINUAÇÃO DAS CALÇAS VIAJANTES?!?!?! PQP, como você me dá uma notícia dessas assim, sem nem uma “introduçãzinha”… Nem preparou o psicológico do leitor (ok, pirei aqui ¬¬). Por favor, diga para esta pobre alma que vos fala, que existe tradução em PB! Onegaii T.T

    E… o que a Ann fez com a Carmen?! O.o (curiosa)

    Jogos Vorazes está na minha lista de leitura, mas por causa da facul, não faço a mais vaga ideia de quando poderei lê-lo… Hum, quem sabe, agora com sua boa crítica sobre a série, eu não o inclua no “plano de férias”: ler O FIM (Desventuras em Série), Autobiografia Não Autorizada (Desventuras em Série) e O Complexo de Atlântida (Artemis Fowl)U.U

  4. Tha
    11:06 on setembro 13th, 2011

    Certas coisas não mudam nunca, né? só acho uma pena não temos livrarias como as que eles tem aí aqui no Brasil, bom pelo menos não tem nenhuma aqui perto… Fico feliz que pelo menos um pouco da nossa Gabi continua a mesma hehe Só lembre de dormir de vez em quando, viiu?? Eu estou na minha fase Marian Keyes, desde que você me emprestou o livro ^^
    Beijos mil!

  5. nilda
    12:34 on setembro 15th, 2011

    fico imaginando sua alegria quando descobriu a tal da biblioteca. meu sonho de consumo também. se estivesse em seu lugar, faria o mesmo. não com YA, sua preferência, mas com livros de culinária, comédias românticas – que amo -, suspense e tudo que me chamasse atenção. a leitura sempre nos transporta para lugares e situações inusitados e nos tira da letargia e monotonia do dia a dia. amo muito e acho que é por isso que vc tb ama. já disse uma vez e vou repetir, seus posts são deliciosos. você escreve muito bem e acho que poderia, sim, ser critica de livros infantojuvenis (tudo junto, horrível). quem sabe, né, um novo caminho a trilhar… fique sempre bem e nos mantenha atualizados. beijo no coração.

  6. Carol
    13:44 on setembro 19th, 2011

    Oi Ga!

    Adorei seu post, e tenho um comentario para agragar. Li no Brasil a serie Au Pairs, e siiim, a brasileira é muuito bitch no primeiro livro. Mas leia os outros, são bem melhores!! Tambem AMOOO YA, e me perco nas historias… Mas vai por mim, leia o resto da coleção, você vai se surpreender 🙂

    Beijos!

Deixe um comentário